A Lenda do Patinho Azul

Esteban Rey Fontan lança seu segundo livro, agora dedicado ao público infantil

A lenda do patinho azul é um tratado antibullying contra as discriminações, pró-amizade e amor. Uma fábula que encantará pessoas de todas as gerações. Escrito por Esteban Ray Fontan, o livro ganha lançamento nesta quinta-feira, dia 01 de outubro, no bar Ossip (Rua da República, 677), a partir das 18h30min.

No dia 03 de outubro, será lançado na Casa de Cultura Mario Quintana, a partir das 16h, e no dia 07 na Casa de Cultura de Esteio, a partir das 19h. Segundo o autor, "é dedicado aos leitores de 4 a 120 anos".

A partir da trajetória de um pequeno pato que nasce com uma coloração diferente da de seus irmãos e demais animaizinhos de sua espécie, o leitor é levado a sentir as dores, sonhos, angústias, sentimentos sinceros da avezinha na batalha contra as humilhações e desconfianças. Um ser que busca voos de amor e compreensão que tanto sente ao coração.  Patinho é humilhado pelos irmãos e colegas destes, além da desconfiança do pai, e então resolve fugir do local onde morava e buscar outros seres e mundos que possam aceitá-lo, além de sua mãe que o ama.

E na jornada do patinho vamos encontrar uma raposa astuta e hipócrita, uma coruja perspicaz, galinhas adoráveis e carinhosas, até a história culminar em um final lírico e plácido de uma suave melodia melancólica a trazer mais amor aos corações que brilham junto com estrelas aos céus.

É mais um voo literário sendo o segundo livro solo publicado de Esteban Rey Fontan. A obra conta com ilustrações criadas em aquarela pelo artista visual paulista Cledson Bauhaus.Sobre o autor

Esteban Rey Fontan, 42 anos, é escritor e jornalista formado pela PUC-RS. Autor do instigante livro de contos adultos A paixão dos amantes pela morte. Coautor dos aforismos que acompanham as imagens da obra Celebridades como você nunca viu. Veste-se normalmente de negro, adora o grupo de rock britânico Bauhaus, mas também é um patinho azul.  Deseja que “os seres valorizem e voem mais em arte e amor. Ame amar o amor. Bons ventos. Quac!”.

Esteban atuou em empresas como rádio Gaúcha, revista Isto É Gente, jornal O Sul. É editor da Versus Editora.

O livro A paixão dos amantes pela morte recebeu elogios de escritores como Moacyr Scliar, Juremir Machado da Silva, Cintia Moscovich, Luiz Antonio de Assis Brasil, que citou na contracapa da obra: “Trabalhando com um imaginário em que preponderam as pulsões mais elementares (e humanas), o texto tem, entre outras, a virtude de causar um tremor de terra em qualquer espectador. Ninguém passará incólume. No uso daqueles elementos caracterizadores da chamada ‘literatura gótica’, Esteban Rey Fontan penetra na mais obscura densidade da complexa interioridade de suas personagens.”

Seu conto O Desespero de Veronika Loss foi encenado no ano 2000 na Casa de Teatro e Theatro São Pedro, em Porto Alegre, com direção de João Pedro Gil e atuações de Liane Venturella e Fernando Kike Barbosa.  Esteban participou de oficinas literárias ministradas pelos escritores Luiz Antonio de Assis Brasil e Charles Kiefer.

Sobre o ilustrador

Cledson Bauhaus é artista visual e educador. Desde a infância realiza ilustrações e gosta de explorar os diversos estilos da arte de desenhar. Formado em Comunicação Social-Publicidade e Propaganda, sua inspiração está na “vida e nos pequenos feixes de luz que resistem à maldade de nossos dias”.  Patinho azul marca sua estreia na ilustração de obras literárias.

Por Silvia Abreu (MTB 8679-4)